Pular para o conteúdo principal

Olhares

Ironico talvez seja a melhor palavra para definir o quão diferente uma situação pode ser vista, dependendo do olhar.

Não jornalisticamente falando, mas uma mesma situação pode ser analisada de n formas diferentes. Basta saber o que se passa no coração de quem vê.
Ruim ou bom, depende da forma como vemos isso. E aí entro em redundância, pois falo novamente das várias faces de uma moeda.

Prefiro sempre o olhar do bem. O olhar que não vê maldade, o olhar do crescimento e aprendizado constantes.
Acho que meus olhos ainda estão semicerrados, mas prefiro eles assim. Quero crer que tudo visa o bem maior, independente de crenças ou concepções.

Talvez seja o olhar do sonhador...vai saber?!

Comentários

  1. Também gosto muito desse olhar, só não entendo por que ele é tão subestimado... Acho que é porque quando a gente tem esse olhar ficamos ligeiramente estrábicas diante das coisas.

    P.S.: vim parar aqui porque você está nos favoritos de um blog amigo que anda parado à beça.

    ResponderExcluir
  2. É geralmente o olhar das pessoas é o mais crítico possível. Não sei se é por que a vida já a massacrou tanto que esse olhar de sonhos se perde em algum lugar do inconsciente, mas não vou dizer que eu tenha uma visão completamente boa das coisas, afinal de contas não somos perfeitos nem os outros. Mas nunca é bom se deixar levar por essa visão positiva dos fatos é preciso avaliar tudo minunsciosamente.

    Muito boa a postagem simples, mas cheia de profundidade.

    Beijos

    Mina.

    ResponderExcluir
  3. A fé sempre exige cautela, pois corremos o risco de deixarmos brechas em nossas defesas; e há pessoas que as bem explore. Essa talvez seja a face em que esses indivíduos creem para poderem viver.

    Como julgá-los, se esse modo é desonesto pra mim?

    Beijão

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Contrastes

Saíram da reunião do budismo com a alma leve. Refletiam sobre como tinha sido produtiva e as percepções de cada um sobre as reflexões e ensinamentos. Uns eram simpatizantes da prática, outros praticantes. Desciam despreocupados a rua Figueiredo de Magalhães, conversando sobre coisas relativas a reunião e assuntos correlatos, todos muito animados e de bem consigo mesmo.
A alegria e a serenidade eram o espírito de cada um dos seis.
O barulho ouvido era estranhamente familiar, mas alguns nem se deram conta, tamanha a animação com que conversavam. Foi então que viram uma movimentação em sentido contrário. As pessoas pareciam apressadas, correndo em direção ao hospital Copa D'or. As caras de preocupação constrastavam com o espírito do grupo, que percebeu que havia algo de errado. Os seguranças do hospital sinalizavam que era melhor tomar outro caminho.
Sem entender o que acontecia, mas com a sensação de que era algo de muito errado, tomaram o caminho da Siqueira Campos onde novamente dera…

Palco de emoções

As luzes se apagaram e a cortina balançava suavemente. Nem parecia um armazém de porto, não fosse pela brisa marinha quente, trazendo o cheiro de maresia que vinha lá de fora. A proposta era bacana. Trechos de musicais em cartaz e sucessos de temporadas passadas, a grande maioria desconhecida, com destaque para o tão falado "Despertar da Primavera".
Luzes se acendem e vão se misturando, azuis, rosas, verdes, vermelhas, roxas. Entra o apresentador, fala um pouco da proposta, apresenta o primeiro musical da noite, Motown. Legal pra caramba, um revival dos anos 70, muitas músicas do Jackson Five e do próprio Michael, boa voz, figurino bacana. Hora da Opereta Carioca, sambinha gostoso, muita ginga e malandragem. Tava sendo um programa legal, todos os amigos jogados no puff, clima descontraído.
Eis que ele começa a falar de um musical conhecido. Um musical que fez grande sucesso por onde passou. Mas que não havia passado em Brasília, os teatros lá não tinham estrutura para tal. Meu…

Reflexões de folia carnavalesca

"Mas é carnaval, não me diga mais quem é você..."

Interessante a mudança de comportamento das pessoas no carnaval. Seguindo alguma tese absurda de que são os 4 últimos dias do ano (só isso explica), acontece algo digno de registro. Com comportamentos estranhos, atitudes um tanto quanto nada ortodoxas e principalmente ações que não se realizaria normalmente você escuta o célebre bordão "aaah, mas é carnaval".

Ok é carnaval. E daí? Vamos enfiar o pé na jaca como se não houvesse amanhã e as pessoas saem loucamente beijando umas as outras, independente do sexo, travestindo-se de mulher, bicho ou qualquer coisa sem muita lógica, bebem muuuuuuuuuuuuuuuuuuito, transam com o primeir@ que aparece e por aí vai..afinal..é carnaval!

Isso não é um post puritano, até porque quem me conhece sabe que eu passo looooonge disso, mas queria entender o porque desse comportamento ser moralmente aceito nesses 4 dias e não ser aceito ao longo do ano. Qual a essência de ser, em tese, aquil…